• Análises Clínicas

    Analisa amostras de fluidos biológicos, ou de cortes histológicos humanos.

    Clique aqui
  • Mamografia

    Exame de diagnóstico por imagem, que tem como finalidade estudar o tecido mamário.

    Clique aqui
  • Raio-X

    Analisa as condições de órgãos e tecidos internos.

    Clique aqui
  • Ultrassonografia Geral

    Diagnóstico que aproveita o eco produzido pelo som para ver em tempo real os reflexos produzidos pelos órgãos.

    Clique aqui
  • Marque e consulte o seu exame

    Para sua comodidade, marque agora mesmo a sua consulta.

    Clique aqui

Dia Mundial Sem Tabaco

Hoje, 31 de maio, é o “Dia Mundial Sem Tabaco”, data que tem como objetivo alertar a população dos perigos e danos que o consumo de cigarro traz a saúde. Criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1987, o dia é destinado a realização de diversas ações para controlar a epidemia do tabagismo, garantir uma vida melhor à sociedade e proteger as gerações futuras.

Dados da OMS apontam que o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo, e que um terço da população mundial sofre do vício do cigarro. Os números mostram ainda que, 5 milhões de pessoas morrem por ano em decorrência do tabagismo e aproximadamente 10 mil mortes por dia em todo o planeta. A situação se torna ainda mais alarmante quando levamos em conta outros dados que indicam que, a expectativa é de crescimento na quantidade de tabagistas; se esses estudos estiverem corretos, em 2030, 10 milhões de pessoas, em idade produtiva, entre os 35 e 69 anos, morrerão por causa do hábito de fumar, ou seja, o dobro do que ocorre atualmente.

O vício do tabaco atinge todas as classes, independentemente da raça, credo ou gênero. Segundo a OMS, 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam. Nos países em desenvolvimento, o número de homens fumantes fica na média mundial, porém, entre as mulheres cai para 7%. Já nos países desenvolvidos o número de mulheres fumantes chega a 24%, enquanto o dos homens cai para 42%. No Brasil, estudo encomendado pelo Ministério da Saúde, realizado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), mostra que cerca de 20% dos brasileiros fumam, sendo 22,7% dos homens e 16% das mulheres.

A grande questão é porque um produto que contém, no mínimo, 4,7 mil substâncias tóxicas, muitas delas cancerígenas e que está ligado a 50 tipos de doenças, entre elas o câncer de pulmão, de boca e de laringe é tão consumido? Como entender que pessoas ainda fumam se, apenas no Brasil, 23 pessoas morrem por hora em virtude do tabaco e que crianças com sete anos de idade, filhas de mães que fumaram no mínimo dez cigarros por dia durante a gestação, se comparadas a outras crianças, apresentam atraso no aprendizado? Segundo especialistas, a reposta para essas questões é uma só: conscientização.

Programas preventivos são fortes aliados no combate ao vício

Pelos dados mostrados acima, está cada vez mais difícil livrar os viciados desse mal, e diante desta situação cada vez mais grave, as entidades e gestores de saúde, sejam eles públicos ou privados, buscam soluções para atenuar esse quadro.

Foi pensando na dificuldade que seus beneficiários encontram para largar o vício do cigarro que a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado do Mato Grosso do Sul (Cassems) desenvolve desde agosto de 2011, o “Programa Antitabagismo”. Realizado por uma equipe de profissionais capacitados, o programa visa melhorar a qualidade de vida dos usuários da Caixa dos Servidores.

A pneumologista e coordenadora do programa de prevenção, Dra. Ana Maria Campos Marques explica que o programa é de extrema relevância porque “o cigarro altera o organismo como um todo, e apenas 3% dos fumantes conseguem largar o vício sem o auxílio do tratamento”.

O advogado Wander Rodrigues, 41 anos, é fumante há 20 anos e se inscreveu no curso por vontade própria e por uma questão de compromisso com a saúde, e os resultados já estão aparecendo. “Parar de fumar é uma promessa antiga que eu fiz para a minha esposa e filhas. Tenho conseguido bons resultados, como maior disposição física, melhor respiração, olfato e paladar”, conta.

Wander, que deu seus primeiros tragos quando entrou na faculdade por influência da mídia agressiva da época e para alcançar popularidade entre os amigos, nunca pensou em parar de fumar por conta do medo de fracassar. “Estou no programa desde o início e já reduzi substancialmente o consumo diário de cigarro, inclusive, tenho contado quantos cigarros fumo por mês. Entendo que o acompanhamento especializado facilita muito no objetivo de largar esse vício. Eu agradeço muitíssimo essa oportunidade que quase deixei passar”, finaliza.

Serviço: O “Programa Antitabagismo”, que é destinado aos beneficiários Cassems, é realizado toda segunda-feira. Mais informações pelos telefones 3314-10 e 3314-1034.

Fonte: Cassems